sábado, 18 de abril de 2015

Marilyn Manson - The Pale Emperor

Fala galera!

Marilyn Manson está de volta!
Depois de seu ótimo disco "Born Villain", de 2012, Manson gravou uma participação no seriado Californication. E durante essa participação, conheceu o músico Tyler Bates (famoso por criar músicas incidentais), e os dois começaram a ter ideias sobre realizar um trabalho juntos, e Tyler chamou Manson para seu estúdio particular.


Para se ter uma noção dessa química, Manson disse:

"Tyler se sentou na minha frente com sua guitarra e seu amplificador. Nós não iriamos falar sobre como as canções iriam ser. 
Eu disse: "Apenas toque, me dê o microfone, vai."
É claro que gostaríamos de elaborar isso mais tarde, mas a maior parte, os takes da guitarra e o vocal são o original, primeiro take. 
Se eu fodi alguma coisa ou se ele fodeu alguma coisa, a gente começou desde o início e fizemos isso juntos. "

Para muitos críticos, este é um dos melhores trabalhos do cantor. Não tem aquele peso do Rock Industrial, marca registrada da banda, mas sim um excelente disco de Hard Rock / Rock Alternativo / Blues Rock.

Durante o processo de criação, Manson participou da última temporada do seriado Sons of Anarchy. E pra quem acompanhou, a trilha sonora dessa série é basicamente Blues Rock.
E durante as gravações, a mãe de Manson veio a falecer após oito anos lutando contra o Mal de Alzheimer.


Isso deu o combustível que ele precisava para compor a atmosfera do disco.
"The Pale Emperor" realmente parece uma trilha sonora, muito bem composta, e as letras obscuras, coisa que Manson domina, estão no nível de seus discos da Trilogia Triptych (sua época de ouro). 
O álbum lida com temas que vão desde a mortalidade, a guerra, a violência, a escravidão e religião, bem como contendo referências à mitologia grega e do folclore alemão, especificamente a história de Fausto e Mefistófeles.
A faixa "The Mephistopheles of Los Angeles", foi a faixa-título original e, de acordo com Manson, "o coração do álbum".

Capa de "The Pale Emperor".

O Imperador Pálido foi Constantino, que conforme Manson disse:

"...o imperador romano Constantino, a quem eles se referem como o imperador pálido pois ele foi contra tudo em todos os sentidos. Ele votaria em desordem. Ele foi o primeiro a negar a existência de Deus no império romano, o que foi um grande negócio."

Destaque para as faixas "Deep Six (Hard Rock total)", "Third Day of a Seven Day Binge", "Warship My Wreck (doentia)", "Birds of Hell Awaiting" e "Cupid Carries a Gun", que mostram que o Anticristo Superstar está vivo.

Segue tracklist:

1. "Killing Strangers"
2. "Deep Six"
3. "Third Day of a Seven Day Binge"
4. "The Mephistopheles of Los Angeles"
5. "Warship My Wreck"
6. "Slave Only Dreams to Be King"
7. "The Devil Beneath My Feet"
8. "Birds of Hell Awaiting"
9. "Cupid Carries a Gun"
10. "Odds of Even"


Essa mudança na sonoridade deu um gás novo para Manson. É um álbum bem trabalhado, não que os outros não fossem, mas esse nível de trabalho, para esse tipo de sonoridade, requer uma atenção especial.

Manson conseguiu o que queria: após muitos terem perdido a fé em sua capacidade, mostrou que estavam errados, trazendo um álbum digno de nota.

Indicadíssimo! Tocar alto não é suficiente!!


2 comentários:

  1. Sou um grande fã desse cara, pretendo baixar logo esse álbum, já gostei de Deep Six imagina das outras

    ResponderExcluir
  2. Searching for the Best Dating Website? Create an account to find your perfect match.

    ResponderExcluir